Dólar Hoje Euro Hoje
quarta-feira, 24 julho, 2024
Início » Brasil do Lula insiste em ‘filme fracassado’, com retorno ao Capitalismo de Estado, adverte economista do Itaú

Brasil do Lula insiste em ‘filme fracassado’, com retorno ao Capitalismo de Estado, adverte economista do Itaú

Por Marina B.

O Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, persiste na busca pela meta de déficit primário zero, mas a inevitabilidade da mudança paira. O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mário Mesquita, destaca que o impacto dependerá da agressividade da nova meta. Se ultrapassar 1%, acende-se um alerta amarelo no mercado, adverte Mesquita, aumentando o risco fiscal no Brasil.

Em entrevista durante o Fórum Econômico Mundial em Davos, Suíça, Mesquita ressalta que o governo enfrentará a escolha entre alterar a meta, implementar contingenciamento ou adotar uma combinação dos dois. Ele enfatiza a importância de continuar lutando e sugere que a mudança da meta ocorrerá em março, sendo preferível que isso ocorra mais tarde.

Quanto ao crescimento, Mesquita observa que o Brasil está em busca de uma narrativa para uma expansão sustentável, enfatizando que o retorno a uma visão estatista já tentada no país não foi bem-sucedido. Ele aponta a transição verde como um caminho promissor, embora ainda não esteja clara para o mundo.

Sobre as preocupações dos investidores estrangeiros no Brasil, Mesquita destaca que a questão fiscal é a principal, sendo o “calcanhar de Aquiles”. Ele compartilha as principais dúvidas do mercado, relacionadas à economia global, à política do Federal Reserve e do Banco Central Europeu, bem como às questões geopolíticas em regiões como Ucrânia e Oriente Médio.

Ao abordar o cenário internacional em 2024, Mesquita menciona a polarização nas relações entre Brasil e Estados Unidos e a preocupação com a queda de juros nos EUA. Ele aponta que a deterioração fiscal nos EUA impacta países emergentes, especialmente os mais frágeis, e prevê uma queda de juros nos EUA para 3% a 2,5% a médio prazo.

Quanto à expectativa de corte de juros no Brasil, Mesquita considera que a flexibilização monetária em um ambiente não crítico favorece os ativos de risco e as economias emergentes. No entanto, ele destaca que o Banco Central prevê uma Selic de 9% no final do ano, sugerindo que, para ser mais otimista, seria necessário um corte mais acentuado do Fed nos EUA.

Finalmente, Mesquita aborda a questão fiscal no Brasil, indicando que uma mudança na meta é esperada em março. Ele ressalta que, se ultrapassar 1%, o mercado ficará preocupado, sendo acima de 1,5% um sinal mais vívido de alerta. A manutenção da desoneração da folha de pagamentos é vista como um desafio para estender a meta fiscal e a expectativa do banco é de zero contingenciamento de gastos em 2024. O crescimento do Brasil é considerado vital, e Mesquita destaca a necessidade de uma narrativa clara para impulsionar a expansão econômica, com a transição verde sendo um caminho potencial. O retorno ao capitalismo de Estado no Brasil é encarado com ceticismo, dado seu histórico pouco bem-sucedido e a ansiedade que isso causa entre os investidores internacionais.

Você pode se Interessar

Deixe um Comentário

Sobre nós

Somos uma empresa de mídia. Prometemos contar a você o que há de novo nas partes importantes da vida moderna

@2024 – Todos os Direitos Reservados.