Dólar Hoje Euro Hoje
segunda-feira, 15 julho, 2024
Início » Transportadores espanhóis se aliam aos agricultores em protesto

Transportadores espanhóis se aliam aos agricultores em protesto

Por Alexandre G.

As demandas decorrentes da nova Política Agrícola Comum, juntamente com os acordos comerciais estabelecidos com Marrocos e o Mercosul, têm sido o ponto central dos recentes protestos.

O mundo rural espanhol enfrenta desafios significativos devido à seca e aos crescentes custos de produção. Após uma temporada desastrosa, os agricultores estão agora enfrentando não apenas as dificuldades climáticas, mas também os requisitos adicionais da Política Agrícola Comum e os acordos comerciais que facilitam a entrada de produtos agrícolas de países terceiros.

Carlos Fernández, um agricultor local, descreve a situação: “O ano de 2023 foi marcado pelos custos de produção de cereais mais elevados da história e uma das piores épocas de chuva em anos. É uma combinação devastadora que nos deixa sem opções”.

Os novos entraves burocráticos e os requisitos mais rigorosos de proteção ambiental e animal tornam o acesso aos subsídios europeus mais complexo e dispendioso. Carlos Fernández expressa a preocupação com o extremismo ambiental que, embora busque proteger o planeta, deixa os agricultores vulneráveis. Ele destaca a necessidade de uma abordagem mais equilibrada e sustentável a longo prazo.

Enquanto as demandas europeias aumentam os custos dos produtos locais, os agricultores e criadores de gado, exigem que os produtos importados cumpram os mesmos padrões ambientais e de segurança alimentar. Eles protestam vigorosamente contra os acordos comerciais com Marrocos e o futuro pacto com o Mercosul.

Os transportadores planejam juntar-se aos protestos dos agricultores, visando os portos de entrada de mercadorias de países terceiros, em uma ação semelhante à realizada em Portugal e na Itália.

Lola Guzmán, do “Movimento 6-F”, declara: “Nossa batalha está nos portos da Espanha”.

Agricultores, criadores de gado e transportadores afirmam que continuarão com greves e mobilizações até que suas reivindicações sejam ouvidas por Bruxelas, com a Agenda Europeia 2030 no centro da contenda.

Esses protestos, que ecoam por toda a Europa, refletem uma crescente divisão entre a Europa urbana e rural, enredada entre os impactos das tais mudanças climáticas e das políticas ambientais necessárias para combatê-las. Essa situação oferece um terreno fértil para o surgimento do euroceticismo e do negacionismo climático, que provavelmente desempenharão um papel significativo nas próximas eleições europeias.

Você pode se Interessar

Deixe um Comentário

Sobre nós

Somos uma empresa de mídia. Prometemos contar a você o que há de novo nas partes importantes da vida moderna

@2024 – Todos os Direitos Reservados.