Dólar Hoje Euro Hoje
sexta-feira, 12 julho, 2024
Início » Desastre econômico: Lula arrisca reviver modelo econômico falido

Desastre econômico: Lula arrisca reviver modelo econômico falido

Por Marina B.

De acordo com o periódico, desde que Lula reassumiu o poder, ele tem buscado fortalecer o papel do Estado para elevar o padrão de vida da população. Isso inclui aumentar os investimentos em assistência social, flexibilizar as restrições de gastos públicos e prometer melhorias na infraestrutura. Entretanto, críticos entrevistados pelo jornal alertam que essa abordagem ameaça “ressuscitar um modelo desacreditado de desenvolvimento estatista que falhou no passado”, conforme reportado pelo FT.

A despeito dos defensores do modelo, que destacam o desempenho positivo no primeiro ano de governo, incluindo a redução do desemprego, da inflação e o crescimento econômico, investidores e economistas ainda parecem céticos quanto ao controle das contas públicas, tornando difícil a redução da taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 11,75%, segundo o jornal.

A matéria salienta o desafio do país em escolher entre seguir um caminho macroeconômico mais moderado ou intensificar os gastos na tentativa de impulsionar o crescimento. O economista-chefe para o Brasil no Barclays, Roberto Secemski, destaca que a renda per capita ainda não retornou aos níveis de 2013, enfatizando a necessidade de maior produtividade e investimentos de capital, viáveis com taxas de juros mais baixas. Porém, ele aponta a postura fiscal frouxa como um problema.

Abinadade Santos, secretário-geral do sindicato dos metalúrgicos, acredita que o presidente tem capacidade para gerir a situação, mas ressalta a importância de corrigir os erros do passado.

A reportagem destaca o papel das indústrias naval e petroleira na política industrial de Lula, mencionando o esquema de propina para contratos da Petrobras que resultou em prisões. O artigo aponta que houve um desmantelamento completo do que era considerado um futuro promissor para a região.

Quanto à reforma tributária, a sua aprovação é mencionada como bem recebida no mercado, embora o desafio persista, com a produtividade crescendo pouco no país. O jornal destaca a dívida pública, atualmente em 74% do PIB, como relativamente alta para uma economia emergente, podendo ter efeitos na inflação e na confiança do investidor, segundo especialistas citados.

O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) também é mencionado como uma “fórmula antiga” do governo Lula, com números de entrega de projetos considerados abaixo das expectativas. O endividamento, visto como alto, pode, segundo alguns especialistas, impactar a inflação e a confiança do investidor, sendo apontado como um fator que pode conter os investimentos do setor privado no futuro.

Você pode se Interessar

Deixe um Comentário

Sobre nós

Somos uma empresa de mídia. Prometemos contar a você o que há de novo nas partes importantes da vida moderna

@2024 – Todos os Direitos Reservados.