Dólar Hoje Euro Hoje
sexta-feira, 12 julho, 2024
Início » Agricultores revoltados se preparam para invadir Festival de Sanremo

Agricultores revoltados se preparam para invadir Festival de Sanremo

Por Marina B.

Chegou-se a um acordo final: na noite de sexta-feira, dia 9, Amadeus, anfitrião e diretor artístico do 74º Festival da Canção Italiana de Sanremo, anunciará uma declaração dos agricultores que protestam em toda a Itália e no exterior contra as políticas setoriais da União Europeia. Os manifestantes do setor agrícola têm organizado manifestações e marchas de tratores há mais de uma semana. Como resultado, os representantes da Riscattoagricoltura, que chegaram à cidade da Ligúria para “invadir” o evento televisivo italiano mais importante do ano e apresentar suas demandas no palco, não subirão ao palco do Teatro Ariston.

Os sete tratoristas chegaram ao povoado de Bussana de madrugada, partindo de Melegnano ontem à noite. Após percorrerem 240 km, fizeram uma parada perto do mercado de flores e, em seguida, seguiram escoltados pela polícia em direção ao centro, onde está localizado o Teatro Ariston. Agora, eles se juntaram à caminhada de Trento e Trieste, na presença da vaca Ercolina com a bezerra Giulia, com a polícia e a Digos presentes.

“Não chegamos a um acordo com a Rai, mas agora eles não podem retirar o convite, não causaria uma boa impressão”, disse Filippo Goglio, um dos líderes do movimento Riscatto Agricolo, que deixou Melegnano ontem à noite, à LaPresse. “Nosso objetivo é subir ao palco do Ariston”, confirmou Davide Pedrotti, um dos líderes do movimento, à Adnkronos. “Apenas 5 minutos para explicar nossas razões aos cidadãos italianos”. Mas precisamente, como dito acima, o impasse foi resolvido.

Porém, a frente “ainda quente” do protesto é Roma: “Se não tivermos respostas, nossos tratores deixarão a guarnição e seguirão para Roma”, diz Andrea Papa, um dos líderes do Resgate Agrícola, falando sobre um “ultimato” ao Ministro da Agricultura Francesco Lollobrigida. “Queremos uma reunião com o ministro, mas até agora ninguém nos contatou”, acrescenta Papa, “a manifestação de amanhã em San Giovanni é o único resultado positivo destes dias e amanhã de manhã nossos dez tratores partirão da guarnição escoltados pela polícia”. Mas se o ministro não responder ao ultimato que expira no sábado ao meio-dia, conclui, os tratores “irão gratuitamente para a cidade”.

“Muitos agricultores estão insatisfeitos e a raiva cresce, queremos voltar para casa com um resultado, mas não queremos de forma alguma causar transtornos aos romanos”, acrescenta outro representante, Salvatore Fais, que fala sobre um “caminho” para chegar a “um encontro com o ministro Lollobrigida” no sábado e destaca que depois da manifestação em San Giovanni a “guarnição não será dissolvida: tratores de Rieti, Tarquinia e Benevento estão chegando”. Quanto à participação de Giuliano Castellino no protesto, Fois afirma que seu movimento “está longe da política e dele. Será o povo – conclui – quem escolherá quem irá representá-lo”.

Enquanto isso, cerca de setenta tratores saíram da guarnição de Passo Corese para chegar à concentração de Nomentana, onde o mesmo número de cidadãos os aguardará. Assim começa uma fila de pelo menos dois quilômetros na Salaria, com veículos prontos para se aproximarem de Roma.

Sicília, Basilicata e Sardenha como “frentes quentes” Protestos de agricultores dos municípios de Partinico, Montelepre, Terrasini e Carini na região de Palermo com manifestação anunciada e autorizada. Os cruzamentos da autoestrada Palermo-Mazara del Vallo para Partinico e Terrasini estão fechados. Os agricultores se reuniram esta manhã em Partinico e, com seus tratores, percorrem a rodovia estadual 113, no sentido de Palermo até Terrasini, causando transtornos ao trânsito.

Cerca de uma centena de tratores partiram esta manhã de Potenza, desde o ponto de encontro próximo à estrada estadual de Basentana em direção à sede institucional do Conselho Regional da Basilicata. Uma longa caravana atravessa uma importante zona da capital lucana, afetando inevitavelmente o trânsito da cidade, que culminará com o protesto de mobilização e a entrega de um documento enumerando os pedidos à Assembleia lucana. Entre eles, a criação de uma mesa técnica envolvendo principalmente os operadores do setor, para estudar medidas adequadas para o setor agrícola lucano; a redução do preço do diesel agrícola e da água para uso na agricultura; fundos adequados para compensar a perda de rendimento da produção agrícola; a criação de um órgão de proteção para determinar o preço dos produtos.

No entanto, os pastores e agricultores da Sardenha que amanhã de manhã participarão na grande manifestação nacional na Piazza San Giovanni, partirão no primeiro voo para Roma. “Seremos cerca de uma centena da Sardenha”, explica Roberto Congia, um dos porta-vozes do protesto na ilha, à ANSA, “e traremos a voz e o protesto das nossas campanhas com nossa presença e nossas bandeiras”.

Problemas em toda a Espanha, mas os tratores saem de Barcelona No terceiro dia de manifestações dos agricultores, os protestos se espalharam pela Espanha. Ao lado dos agricultores independentes, as principais associações agrícolas profissionais Asaja, Coag e Upa também se juntaram, anunciando um calendário de eventos em várias províncias do país até 27 de fevereiro, ao qual a Union de Uniones também aderiu.

Em Barcelona, onde ontem 1.250 tratores chegaram depois de passarem a noite nas ruas, um comboio de cerca de uma centena de veículos pesados bloqueou a Gran Via central e a Diagonal em direção ao Parlamento Catalão, no parque de La Ciudadela, como relatado pela polícia. Mas os agricultores começaram a deixar a cidade algumas horas atrás, depois que alguns de seus representantes se reuniram com as autoridades catalãs.

Reuniões com as autoridades locais também estão em andamento ou agendadas em outras áreas do país, enquanto os protestos e bloqueios de trânsito continuam em estradas e autoestradas em pelo menos seis regiões. “Chegamos ao ponto em que se esses protestos ou manifestações paralisarem o país, a polícia deverá intervir”, comentou o Ministro dos Transportes, Óscar Puente, em uma entrevista.

Contatos entre manifestantes e polícia, acusações durante alguns protestos, pelo menos quatro detenções e um oficial ferido no rosto. Os episódios mais agitados ocorreram em cidades do norte como Oviedo, Logroño, Vitória e Pamplona. A polícia acusou em pelo menos duas ocasiões em Oviedo de impedir o acesso dos manifestantes ao perímetro do palácio regional do Principado das Astúrias. Duas pessoas foram detidas na província de Burgos, durante uma tentativa de ocupação da faixa de rodagem da autoestrada A1, enquanto outras duas acabaram algemadas em outra tentativa de bloqueio na província de Almería, e um oficial da Guardia Civil ficou ferido em Zafra, Extremadura, atingido por uma pedra.

De norte a sul da península, os bloqueios continuam. Em Navarra, cerca de trinta tratores se concentraram em frente à casa da presidente do governo regional, Maria Civite, protegida por um cordão policial, como mostram as imagens captadas pela TVE. Colunas de tratores impedem o trânsito na principal rodovia que liga Barcelona a Madrid e paralisam centros de trânsito em Castela, no lado oriental da península, perto de Vall D’Alba, bem como na região da Extremadura, na província de Palência, informa a polícia de trânsito.

A autoestrada que liga Sevilha, na Andaluzia, a Cádiz foi interrompida pelo terceiro dia. O objetivo dos agricultores é bloquear alguns dos principais centros logísticos de distribuição, como o porto de Castellón e o aeroporto de Jerez. As principais organizações agrícolas apelam à unidade de ação para exigir flexibilidade na legislação ambiental europeia, acordos comerciais mais justos com países fora da UE e ajuda para a crise causada pela seca, informa a Asaja em uma nota.

Você pode se Interessar

Deixe um Comentário

Sobre nós

Somos uma empresa de mídia. Prometemos contar a você o que há de novo nas partes importantes da vida moderna

@2024 – Todos os Direitos Reservados.