Dólar Hoje Euro Hoje
segunda-feira, 15 julho, 2024
Início » Descontrole total: Petrobras sobe preço da gasolina e gás de cozinha sem aviso

Descontrole total: Petrobras sobe preço da gasolina e gás de cozinha sem aviso

Por Marina B.

O aumento da gasolina e do gás de cozinha, anunciado nesta segunda-feira pela Petrobras, impacta fortemente a vida das pessoas, principalmente das mais pobres. É bom ter aumento? Não, não é bom. Mas pior ainda é deixar o mercado desajustado com preços artificiais.

Por que a gasolina e o diesel não subiram? Por que agora? Desde agosto do ano passado, os preços não mudam, e nesse meio tempo, tudo aconteceu com os preços definidos. O petróleo no mercado internacional e o dólar são os que determinam o valor de equilíbrio desses produtos.

Mesmo com o reajuste, os preços da Petrobras continuam defasados em relação aos preços internacionais. De acordo com a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), a diferença do preço da gasolina em relação ao mercado externo caiu de 18% para 10% com o aumento desta segunda-feira. Mais importante do que a diferença, no entanto, é o fato de que atualmente não há qualquer transparência em relação aos aumentos feitos pela companhia. Não se sabe quais são os critérios para a decisão de um reajuste, quando ele ocorre e como é definido o percentual, que dessa vez foi de 7,11% sobre o preço da gasolina.

Até maio do ano passado, a Petrobras seguia o parâmetro internacional para realizar reajustes dos combustíveis. Antes, havia uma paridade, o que fazia com que a alta ou a queda das cotações externas do petróleo e do câmbio determinassem a alta ou corte nos preços. Esse modelo foi implementado pelo governo Michel Temer depois que uma manipulação dos preços no governo Dilma Rousseff arruinou as contas do estado. A companhia abandonou esse modelo e passou a seguir o que o governo chamou de um abrasileiramento do critério de aumento. A mudança tornou nebuloso o modelo de reajuste da companhia. Não se sabe qual é o novo critério.

Essa defasagem entre os preços dos combustíveis no Brasil e no mercado internacional pode ser reduzida se houver uma acomodação da cotação do dólar. A moeda americana chegou a bater os R$ 5,70, diante das declarações do presidente Lula contra o presidente do Banco Central e também devido ao cenário externo, mas o dólar tem cedido e já caiu bastante. Quanto mais o dólar ceder, menor será a defasagem, se não houver novas altas do petróleo.

O petróleo subiu muito no mercado internacional nesse período sem um reajuste aqui dentro, mas depois caiu. No último mês voltou a ter uma alta: o barril passou de US$ 77 para quase US$ 87.

Qual é o problema de deixar o mercado sem um critério claro? É que outros participantes do mercado, como o importador e o refinador privado, não têm ideia do preço que será definido pela empresa dominante do mercado. Isso pode desorganizar o abastecimento do mercado interno. As refinarias privadas estudam entrar na Justiça contra a estatal, alegando que sua política de preços prejudica a concorrência.

É preciso regras claras e transparentes. Sem isso, todos os agentes privados que participam desse mercado no Brasil têm dificuldade de tomar decisões e planejar. Isso acaba afetando o abastecimento no mercado nacional, porque a Petrobras não supre 100% da demanda brasileira.

É positivo que a nova presidente da Petrobras, Magda Chambriard, tenha aprovado esse reajuste, mas não há garantia alguma de que ela seguirá alguma regra.

Aumento de preços é sempre incômodo, mas é preciso lembrar que os combustíveis, principalmente a gasolina, são produtos de alta emissão de gás de efeito estufa. Portanto, não faz sentido, do ponto de vista ambiental, que sejam subsidiados.

Você pode se Interessar

Deixe um Comentário

Sobre nós

Somos uma empresa de mídia. Prometemos contar a você o que há de novo nas partes importantes da vida moderna

@2024 – Todos os Direitos Reservados.