Dólar Hoje Euro Hoje
quarta-feira, 24 julho, 2024
Início » Rosamaria: A luta pela equidade no esporte e o desafio japonês rumo à versatilidade

Rosamaria: A luta pela equidade no esporte e o desafio japonês rumo à versatilidade

Por Marina B.


Rosamaria Montibeller, de 29 anos, expressou surpresa ao ser questionada sobre a iniciativa de Paris de realizar a primeira edição dos Jogos Olímpicos com paridade numérica de gênero, garantindo o mesmo número de atletas homens e mulheres. A jogadora de vôlei afirmou estar feliz com essa decisão, destacando a importância da equidade de oportunidades.

A próxima edição olímpica em Paris-2024 contará com 10.500 atletas, sendo 5.250 homens e 5.250 mulheres, conforme informado pela organização. Rosamaria considera esse passo como algo importante, ressaltando que a última edição em Tóquio, com 48% de mulheres, já foi a mais equilibrada nesse sentido.

A atleta, que atua como ponteira e oposta, revelou que, desde os nove anos, quando se apaixonou pelo voleibol, nunca foi treinada por uma mulher em sua carreira profissional. A seleção brasileira feminina de vôlei também nunca teve uma treinadora, com 20 anos sob o comando de José Roberto Guimarães. Mesmo tendo respeito pelo técnico, Rosamaria destaca a necessidade de mais mulheres ocuparem espaços de liderança, incluindo na seleção.

Rosa, como é conhecida, valoriza a oportunidade dada por Zé Roberto, mas destaca a importância de mais mulheres terem voz e ocuparem cargos de destaque. Ela expressa o desejo de ver uma mulher à frente da Seleção Brasileira e incentiva a representatividade feminina no esporte.

Além de sua carreira esportiva, Rosamaria é uma referência como modelo e influenciadora, com mais de 1,2 milhão de seguidores no Instagram. Ela compartilha momentos de sua vida como atleta, assim como outros interesses, como culinária e moda. A atleta não se incomoda com o rótulo de “musa do esporte”, mas destaca a importância de ser reconhecida primeiramente como atleta, não deixando que a sexualização na divulgação do esporte anule seu desempenho em quadra.

Após quatro anos na liga italiana de vôlei, onde se tornou a jogadora com mais seguidores, Rosamaria se transferiu para a liga japonesa, jogando pelo Denso Airybees. No Japão, ela busca desenvolver novas habilidades, especialmente na parte defensiva, enfrentando desafios diferentes em comparação com sua experiência na Itália. A adaptação à nova rotina e o apoio recebido na cidade de Nishi, com uma comunidade brasileira, têm contribuído para sua jornada no país asiático.

Você pode se Interessar

Deixe um Comentário

Sobre nós

Somos uma empresa de mídia. Prometemos contar a você o que há de novo nas partes importantes da vida moderna

@2024 – Todos os Direitos Reservados.